13/11/2012

O Jardim de Letícia – uma garota chamada sofrimento

16 anos de caos e confusão
Por Marco Buzetto

ADENDO:

Esta história é baseada em fatos reais. O nome da garota será preservado, assim como quaisquer informações descritas nesta história. Chamaremo-na, então, Letícia.
Sendo assim, qualquer semelhança que venha a se encontrar neste texto será mera coincidência.

Parte V 

Ela tinha experiência. Sim! Letícia possuía uma experiência sexual, com seus 16 anos, muito maior do que milhares de casais por toda parte. Tudo o que havia para se fazer durante uma transa Letícia já havia feito. No carro; em corredores de cana; sobre uma moto velha e imunda de barro; na cama; na escola; na delegacia; de quatro; deitada de vários lados ou em pé em vários ângulos imagináveis. Atrás de um tapume; no quintal de sua casa; na casa de seus parceiros casuais; de manhã, à tarde ou à noite; de porta fechada em sua casa com seus pais assistindo a TV no domingo, ou quem sabe no chuveiro. Não importa. Letícia estava ali, transando, beijando, abrindo as pernas para qualquer um. E sem um centavo no bolso.

Se Letícia tinha namorado? “Sim, namoro há um ano e meio o mesmo cara”. Isso surpreende alguém a esta altura da história? Isso realmente importa agora? Acredito que não. Nem a mim, ou a você. Tampouco pra ela, Letícia.
 
(continua na Parte VI)