08/02/2012

O Céu está em Chamas - Parte 4

Parte IV


O que podemos fazer em relação a nós mesmos? Quero dizer: o que somos para nós mesmos? Será que esta é uma pergunta que nos possamos fazer? Será que entendemos tal questionamento? Penso que não. Absolutamente não. O Homem não está preparado para entender e explicar a si mesmo – mesmo sendo isto o que deveria ao menos tentar fazer: refletir sobre si, sobre seus atos, conseqüências, pensamentos, ideologias... Tudo o que diz respeito ao si mesmo de cada um. Isto faria com que nos tornássemos um pouco melhores humanamente falando, intelectualmente pensando. Porém, as pessoas têm preguiça de pensar. É muito mais fácil viver do ócio, receber comida na boca – ou por tubos em uma cama de hospital, urinando sangue e pus e defecando por sondas.

Este não é um livreto para compor sentimentos de pena pela raça humana. Ao contrário, absolutamente. Foi escrito com o propósito de socar a cara de cada um, bem no meio, no nariz. Talvez assim todos nós acordemos deste sono utópico chamado vida. A pena é um sentimento de fraqueza. Um sentimento que nos desmotiva e nos impede de prosseguir nosso caminho rumo à evolução. O sentimento de pena, de dó, faz-nos olhar para quem merece ser punido e pensar mais de duas vezes sobre o assunto. Porém, ao contrário de nós, aqueles que merecem ser punidos não possuem o mesmo sentimento de clemência. Eles se levantam com o propósito de continuar sua vida inútil, fazendo coisas das quais Ser humano algum deveria se orgulhar, prejudicando ou não ao próximo. Os sentimentos de fraqueza destroem o Homem e sua natureza. Tomemos cuidado principalmente com os ensinamentos cristãos, religiosos. Estes sim são venenos. Aqueles que não devemos em momento algum pôr em nossos lábios. Uma mulher que mantêm sua vida sexual extremamente ativa, e aberta ao público, em minha singela opinião, merece muito mais respeito que estes malditos religiosos, moralistazinhos mentirosos (salvo exceções?).

...