28/09/2011

Em memória de Redson Pozzi (28/09/2011)

No dia 28 de setembro de 2011, recebemos a infeliz notícia do falecimento de um dos maiores ícones do cenário punk brasileiro.
 
Recebemos a triste notícia que na noite de ontem faleceu o vocalista e guitarrista REDSON da banda Cólera. Acho que todos nós sabemos a importância histórica dessa banda pioneira em muitas frentes tanto do movimento punk nacional quanto da própria cena independente brasileira. Redson, além de trazer uma proposta inovadora com os três acordes distorcidos na década de 80 (junto com seus companheiros Val e Pierre, posteriormente Fabio, entre outros), também sempre defendeu um discurso mais e autonomia antes das críticas aos governos e sistemas. Com músicas como “Forte Grande é Você”, “Quanto Vale a Liberdade” e o hino “Pela Paz”, o Cólera formou muito o código de ética de toda uma geração (gerações). Depois dos pais, pessoalmente o Cólera educou muito a gente. Foi nossa escola.
Enfim, todos nós estamos sentidos já que tanto o Cólera quanto Redson fizeram parte da história do CECAC-Serrana-SP, não só se apresentando em três edições do Caipiro Rock, como acompanhando nossos passos de ação direta e colaborando tanto com idéias, divulgando o CECAC e também colocando a mão na massa com trabalho físico (ajudando a montar o palco do Festival no Parquim em 2006).

O cenário punk desse mundo está em luto, e por aqui ficamos com aquela sensação de despedida no último Caipiro Rock. Num dos papos com Pierre depois do show, ele me disse: “a galera pensa que vamos durar muito mais tempo, mas não dá”. Eu questionei, e ele continuou: “cara, é natural, a banda não vai durar pra sempre”. Aquilo bateu forte demais em mim, e agora, mesmo com muitas lágrimas e um aperto forte no coração, me sinto grato por fazer parte da história de tudo isso.
 
“Forte e Grande é Você
HHEI
Todos somos fortes, todos vamos tentar
Todos, todos juntos, vamos todos agitar
HHEI
Punk é muito forte, punk, punk é você
Punk é muito grande, punk é muito grande
Forte e Grande é Você”

 
*texto de Ricardo Brasileiro
 
No link, um pequeno vídeo amador registrando a passagem do Cólera na última edição Caipiro Rock 2011 em Serrana.

Aqui, clipe Pela Paz:

Abaixo, um depoimento do músico e produtor Leonardo Panço, lamentando o acontecido:

“É o fim de uma era da música brasileira, das minhas influências musicais, de atitude, de underground, da porra toda. Com a morte do Redson e o fim do Cólera, fica tudo pra trás. Fui pra Europa por causa desse cara, ele começou tudo pra todo mundo no Brasil. Cada banda de punk/HC que foi pra Europa, foi porque esse cara passou meses escrevendo cartas, mandando fax, esperando, marcando. Redson foi a maior influência em tudo que eu fiz até hoje na música”.