01/04/2018

Documentário: Bukowski - Born into this (2003)


Quem ainda não conhece, conheça.

O documentário “Bukowski – Born into this” lançado no ano de 2003, dirigido por John Dullaghan, conta um pouco da vida deste que foi (e ainda é) um dos maiores escritores do século XX. Muitos associam Bukowski com a cena beat, mas esta associação é errônea. Bukowski não se preocupava com o academicismo da literatura, e escrevia o que lhe vinha à cabeça (como muitos outros) sem se importar com a forma, com a estrutura em si.

Enfim. Esta coluna não é sobre a escrita em si, e sim, sobre o escritor e o documentário sobre sua vida.

“Born into this” conta em detalhes algumas fases da vida de Charles Henry Bukowski Jr. Seu início de carreira, suas bebedeiras, vida conturbada, casamentos, relacionamentos, empregos... entre outras coisas que refletiram e interferiram diretamente na vida e nos textos do autor. Mostra também um Bukowski violento, inclusive em cenas gravadas, agredindo uma de suas esposas (Linda), enquanto discutem seu relacionamento, com Bukowski questionando a vida noturna de Linda que passa suas horas fora de casa, com os amigos, e não com seu marido. O registro também aborda o início de carreira totalmente sem dinheiro do autor, que (assim como a maioria dos escritores do mundo, inclusive este que vos escreve) é obrigado a enfrentar inúmeros empregos para sustentar sua profissão de escritor (e no caso do velho Buk, suas bebedeiras, noitadas, sexo e a fins – que, na verdade, acabam fazendo parte de todo clichê que um escritor pode ser. Amém?).

Vida conturbada, violência infantil, violência doméstica, patrocinadores, trabalho, carreira, referências externas, comentários de amigos familiares e do mundo das artes, como Bono Vox, Sean Penn, entre outros... tudo isso faz deste documentário um registro fiel e muito importante e necessário para se compreender um pouco da trajetória de Bukowski e sua grande influência no mundo das artes, principalmente na literatura mundial, já que fora traduzido para inúmeros idiomas e hoje pode ser encontrado em qualquer lugar graças a nossa maravilhosa InternetA (acredito que o doc integral com legenda exista no YouTube também).

Ah, claro. Só para constar, novamente: Sinto lhe informar, se ninguém nunca lhe disse: Bukowski não é beat. Foi um bêbado, um junkie, um miserável, um poeta como tantos outros, um ser humano cru, rústico e bem-humorado. Mas, não um beat. Bukowski fora, antes de tudo, um escritor original, sem regras.

Grande abraço, mundo. Vocês são ótimos. Até a próxima.

_____
Siga o escritor Marco Buzetto nas redes sociais: Facebook. Instagram, Twitter.