03/04/2012

Política em Minutos: DEM anuncia processo contra Demóstenes Torres

Demóstenes Torres aparece em gravações de escutas telefônicas feitas pela Polícia Federal que indicam envolvimento dele com Carlos Augusto Almeida Ramos, o Carlinhos Cachoeira.

O presidente nacional do DEM, senador Agripino Maia (RN), anunciou no início da noite desta segunda (2) a abertura pelo partido de um processo disciplinar que poderá resultar na expulsão do senador Demóstenes Torres (GO) da legenda.

Demóstenes Torres aparece em gravações de escutas telefônicas feitas pela Polícia Federal que indicam envolvimento dele com Carlos Augusto Almeida Ramos, o Carlinhos Cachoeira, preso pela PF em fevereiro sob a acusação de comandar um esquema de jogo ilegal em Goiás. Segundo as gravações, o senador teria usado o mandato para favorecer o bicheiro.

O DEM havia cobrado explicações de Demóstenes. O partido queria que ele apresentasse justificativas ou fizesse um pronunciamento na tribuna do Senado. Mas o senador argumenta que precisa de mais tempo para analisar o processo ao qual responderá no Supremo Tribunal Federal.
"Não houve uma definição do Demóstenes sobre o prazo [em que apresentaria explicações]. Não houve uma defesa contundente nem o uso da tribuna", declarou o presidente do DEM ao justificar a medida de abertura de processo.

Segundo Agripino Maia, o processo será aberto amanhã (3). Será nomeado um relator, e Demóstenes terá sete dias consecutivos para fazer a própria defesa.


Desdobramentos
No Supremo, a investigação sobre o senador está nas mãos do ministro Ricardo Lewandowski, que já determinou a quebra de seu sigilo bancário.

Na esfera política, Demóstenes correrá o risco de ser cassado se o Conselho de Ética do Senado abrir um processo e entender que ele de fato quebrou o decoro parlamentar. Se renunciar ao mandato para evitar perdê-lo, será enquadrado na Lei da Ficha Limpa e não poderá disputar as próximas eleições.

Desde que as mais recentes denúncias foram veiculadas pela imprensa, Demóstenes adotou o silêncio. Disse que só irá se pronunciar depois de ter acesso às acusações contra ele.

Procurador de Justiça e com atuação ligada à área da segurança pública, ele foi o primeiro colocado na eleição de Goiás para senador em 2010, com 2,1 milhões de votos.